Você está aqui: DDuwe Contabilidade » Notícias

17 de junho de 2014 Nacional

Dilma deve anunciar ‘pacote de bondades’

RAQUEL LANDIM

Em período pré-eleitoral, a presidente Dilma Rousseff decidiu fazer um “afago” para os empresários, que estão cada vez mais próximos dos candidatos de oposição nas eleições de outubro.

Ela recebe no Planalto nesta quarta-feira (16) representantes da indústria e deve anunciar um “pacote de bondades”. Será o terceiro encontro com o setor privado em menos de um mês.

As medidas, que ainda estavam em discussão, foram divididas em três grupos: tributárias, de crédito e regulatórias. Segundo apurou a Folha, contemplam diversos temas.

A reunião de amanhã é um “retorno” da presidente para as demandas que recebeu dos empresários em encontro realizado no dia 22 de maio. Ela promete responder todos os pleitos que recebeu.

Naquela ocasião, Dilma, que é muito criticada por governar sem ouvir o setor privado, fez questão de cumprimentar mais de 30 pessoas uma a uma. O encontro se estendeu por três horas, muito além do previsto.

A queda na confiança dos empresários é um dos fatores que têm dificultado um crescimento mais rápido da economia brasileira.

Reportagem da Folha no início deste mês mostrou que a presidente Dilma admitiu que o país vive um “problema seriíssimo de expectativa”, que está afetando o crescimento econômico.

Também participarão da reunião de amanhã os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Mauro Borges (Desenvolvimento).

Empresários ouvidos na condição de anonimato veem a aproximação de Dilma com “bons olhos. “É ótimo que ela nos escute”, disse um dos convidados.

Mas afirmam que os pleitos não são novos, só estão sendo discutidos por causa da proximidade das eleições, e que é preciso verificar se as promessas se transformarão em realidade.

Editoria de Arte/Folhapress

MEDIDAS

O “pacote de bondades” ainda não havia sido finalizado ontem e medidas ainda podem entrar ou sair.

Até ontem, estava previsto que o governo prometia rediscutir as novas regras para segurança do trabalho na utilização de máquinas, que tem sido motivo de protestos pela indústria.

Também deveria enviar ao Congresso um projeto de lei sobre o acesso ao patrimônio genético brasileiro. Fabricantes de cosméticos e remédios foram autuadas por desenvolver produtos com a fauna e a flora brasileiras sem as autorizações cabíveis. As multas já aplicadas serão anistiadas.

Na área tributária, é vista com simpatia a retomada, no ano que vem, do Reintegra, programa que devolve tributos aos exportadores. Seguindo sugestão da indústria, o programa voltaria com alíquota simbólica, que vai subindo gradualmente.

É provável ainda que o governo já sinalize que renovará o PSI (Programa de Sustentação do Investimento), do BNDES, em 2015. O programa expira no fim deste ano.

Mas não deve atender a outro pleito para aumentar os recursos do Revitaliza, destinado a capital de giro, também do banco de fomente.

A justificativa é que o BNDES deve se focar em investimentos e que essa medida iria na contramão do esforço do Banco Central para desacelerar o crédito e controlar a inflação.

Outras medidas, que fazem parte do “pacote de bondades” de Dilma, já foram anunciadas, como a desoneração permanente da folha de pagamento.

Como o espaço fiscal está reduzido pela menor arrecadação, algumas das medidas são promessas para 2015, se Dilma for reeleita. 

 

Folha de S. Paulo