Empresário deve separar o negócio de contas pessoais

Postado em 06/09/2016 – Fonte: DCI – SP – Por: Ernani Fagundes

Educadores financeiros alertam para problemas na gestão de caixa

A pessoa física deve separar as contas pessoais das atividades financeiras de sua pequena empresa. Essa é a primeira e principal recomendação de especialistas em finanças pessoais consultados pelo DCI.

“Tenha a cultura do planejamento e consiga separar melhor a pessoa física do empresário”, sugere o sócio da consultoria financeira Tiex, Fábio Yamamoto. Ele explicou que o planejamento prévio e contínuo evita que a empresa socorra ou pague despesas da pessoa física, e vice-versa, que a pessoa física disponha de seu patrimônio familiar para socorrer uma empresa com dificuldades ligadas ao negócio.

Para facilitar essa separação, Yamamoto recomenda que a pessoa física estabeleça uma retirada formal e periódica da empresa. “Faça esse planejamento e estabeleça valores predeterminados. A retirada pode ser na forma de pró-labore, salário ou dividendos [lucros], o importante é que se respeite os limites estabelecidos. Infelizmente, muita gente acaba confundindo os gastos ao usar o cartão corporativo [da empresa] e depois fica sem recursos para os compromissos com fornecedores”, disse.

A recomendação do educador financeiro Rafael Seabra é que a pessoa física faça um fundo de reserva que reúna recursos para pelo menos seis meses de gastos pessoais ou familiares. “Se ele gasta R$ 5 mil por mês, deve ter no mínimo uma reserva de emergência de R$ 30 mil”, disse.

A depender do tipo de atividade empresarial é comum passar meses sem resultados para obter receitas maiores à frente, sem que o empresário possa fazer uma retirada de lucros. “O capital é para tocar o negócio. Se confundir o pessoal com a receita da empresa não se consegue pagar fornecedores e funcionários”, alerta.

O professor e consultor de finanças Gilberto Miyamoto considera que há muita falta de controle financeiro, e que a pessoa física deve tanto controlar suas despesas domésticas como fazer o planejamento do fluxo de caixa da empresa.

“Para o pequeno, não precisa de um software de gestão, um simples Excel já resolve. Ele lista os pagamentos, projeta as entradas e saídas do caixa. Se não faz essa conta do fluxo de caixa, acaba se tomando dinheiro no cheque especial com juros altíssimos. O empresário que não se planeja dá lucro aos bancos”, avisa.

Miyamoto disse que a pessoa física também deve ficar atenta aos rumos dos negócios para não perder patrimônio pessoal ou familiar. “Muitos empresários não sabem se estão ganhando ou perdendo dinheiro no negócio e só olham para o saldo bancário. É preciso fazer uma análise do negócio como um todo e verificar se está dando lucro ou prejuízo. Outro ponto a observar: toda empresa que cresce [por exemplo] demanda capital de giro, o negócio pode estar indo muito bem e quebrar por falta de capital”, adverte.

O CEO da recuperadora de crédito Siscom, Satoshi Fukuura, também orienta sobre os desafios de se trabalhar num ambiente de recessão. “Em época de vendas baixas, acaba-se usando os recursos da pessoa física. O empresário apertado vai vivendo um dia de cada vez, sem pensar no amanhã, ele tem que planejar o fluxo de caixa”, diz. Ele nota que em muitos casos, o empresário tem faturamento, mas não controla a inadimplência dos clientes. “Nesta crise, se você não cobra, não recebe. Recebe quem cobra primeiro.”

Por fim, o professor de gestão financeira da Opet, Jefferson Fischer, sugere que a vida pessoal do pequeno empreendedor também precisa estar organizada. “Precisa estar superavitário em casa. Por isso, a importância de ter uma estrutura de pró-labore. Todo mundo precisa de salário, mas também de obedecer à risca seu orçamento”, diz o professor.

Ao pequeno empresário, Fischer recomenda usar dinheiro de curto prazo dos bancos, o mínimo possível. “Não há empresário que fature o suficiente para pagar os juros do cheque especial e do cartão corporativo”, considerou Fischer.

Hora de parar

Yamamoto, da Tiex, também alertou que a pessoa física deve saber reconhecer quando o negócio não está dando certo. “Alguns indícios como prejuízos seguidos podem servir de reflexão. Ninguém investe para perder, mas é preciso estar preparado para fechar”, disse.

Em outras palavras, o empreendedor deve acompanhar com atenção a empresa e perceber se os aportes de capital vão gerar resultados no prazo planejado. “Não insistir em algo sem perspectivas”, avisa.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email