Governo só conta com a oposição para elevar tributos dos mais ricos

Postado em 19/07/2016 – Fonte: DCI – SP – Por: Abnor Gondim

Proposta para Orçamento de 2017 inclui R$ 8 bilhões que poderão vir por elevação de impostos

Proposta para Orçamento da União de 2017 inclui R$ 8 bilhões que poderão vir por elevação ou criação de novos impostos, mas não terá a aprovação da base aliada, que prefere cortar despesas

Brasília – Com os principais partidos da base aliada contrários a propostas de aumento da carga tributária, o presidente interino, Michel Temer (PMDB), só tem a contar com a oposição para criar novas fontes fiscais de receita. Mas só se for incluída a taxação dos mais ricos.

Apesar de desmentir notícias sobre aumento de tributos, o governo colocou na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) uma receita adicional de R$ 8 bilhões em 2017, proveniente justamente da alta ou criação de tributos.

Se for para atingir assalariados e empresas com maiores rendimentos, o governo poderá contar com a oposição encabeçada pelo PT, que redirecionou a proposta de elevação de tributos deixada pela presidente afastada Dilma Rousseff, em abril, antes de sair do posto.

“Nós queremos o imposto justo para tributar quem tem alta renda e patrimônio”, disse o deputado Vicente Cândido (PT-SP), um dos autores do projeto de lei que é mais severo do que a proposta apresentada por Dilma.

O texto altera então a alíquota máxima do Imposto de Renda da Pessoa Física, de 27% para 37%, a ser aplicada em rendimentos mensais superiores a R$ 20.600,03.

Atualmente, a tabela do IR tem 4,8 milhões de contribuintes que se enquadram na última faixa de tributação – fixada em 27,5% para rendimentos a partir de R$ 5.191,44.

Na proposta, é prevista ainda a tributação de lucros e dividendos distribuídos por pessoas jurídicas a seus sócios e revoga isenções de IR sobre ganhos de capital na alienação de imóveis e ações. Com a aprovação, a previsão de aumento para os cofres públicos é de R$ 38 bilhões.

“Nós não temos como princípio ser contra o aumento de imposto, desde que seja muito claro quem vai pagar esse aumento. É uma questão de coerência”, acrescentou o deputado Enio Verri (PT-SP), outro autor da proposta.

Reduzir despesas

Para acalmar os aliados, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que “dificilmente haverá” aumento de tributos, argumentando que, antes de estudar essa possibilidade, o governo do presidente interino fará um “pente-fino” em suas despesas, inclusive nos programas sociais.

O novo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também está alinhado com a mesma posição defendida tanto pela antiga oposição, que apoiou a candidatura dele, quanto pelo “centrão”, grupo de partidos pequenos e nanicos que perdeu a disputa com Rogério Rosso (PSD-DF).

“Nós temos que olhar as reformas para superar a crise sob o ponto de vista das despesas e não das receitas. Não dá mais para aumentar impostos”, salientou Maia, coincidindo com a postura das demais legendas que o lançaram ao comando da Câmara, como PSDB, PPS e PSB.

Governistas contrários

Na semana passada, um dos principais representantes do “centrão”, que comanda o Ministério da Saúde na administração Temer, afirmou que não incentiva o governo a aumentar os impostos para o financiamento do setor.

“Eu não vou patrocinar, dentro do governo, uma tentativa de que a área da saúde seja o ‘oásis’ e o resto seja o deserto, porque não vai funcionar”, declarou o ministro Ricardo Barros, que é deputado federal licenciado pelo PP do Paraná.

“Nós somos contra a qualquer criação de impostos ou novos impostos”, sintetizou deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), ex-secretário da Fazenda do governo Paraná, considerado um dos melhores parlamentares tributaristas do Congresso. “Tem que usar o aumento das faixas de Imposto de Renda dentro de um contexto de diminuição da carga tributária da base de consumo”, disse.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email