Mais de 18 milhões de contribuintes ainda não enviaram declaração de IR

Faltam apenas 18 dias para a data-limite; prazo termina no dia 30 de abril

Nívea Ribeiro /Correio Braziliense

QuinhoBrasília – Faltando duas semanas para o fim do prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda, em 30 de abril, muitos contribuintes ainda não prestaram contas ao leão: segundo a Receita Federal, 18,7 milhões de declarações do Imposto de Renda ainda não foram apresentadas. São obrigados a declarar os contribuintes que, em 2014, tiveram rendimentos superiores a R$ 26.816,55; rendimentos isentos e tributados exclusivamente na fonte, como lucro da poupança, herança e doação acima de R$ 40 mil; quaisquer ganhos de capital; bens que excedam R$ 300 mil ou renda rural maior que R$ 134.082,75. Mesmo correndo contra o tempo, aqueles que deixaram para a última hora podem seguir algumas dicas para entregar a declaração sem complicações.

A primeira recomendação dos especialistas é juntar, o quanto antes, todos os documentos necessários para o preenchimento, como recibos e notas fiscais de despesas e informes de fontes pagadoras e instituições financeiras. “Caso falte algum desses comprovantes, o mais importante é que a pessoa entregue a declaração dentro da data. Posteriormente, ela faz as retificações necessárias, sem cobrança de multa”, afirma Francisco Arrighi, diretor da Fradema Consultores Tributários.

O servidor público Gilvando Lourenço, 52 anos, faz a declaração conjunta sem o auxílio de contador e evita deixar para o fim, mas este ano se deparou com dúvidas e acabou atrasando a entrega. Desde 2011, o servidor possui um seguro de vida e um consórcio que não vinham sendo declarados. Agora, quer reparar a situação, mas não sabe como proceder. “Contratei o seguro de vida há cerca de três anos e começei a pagá-lo com desconto em meu contracheque, e o consórcio é do mesmo ano. Não sei se devo inserir o seguro na declaração este ano, nem como informo as parcelas que já paguei do consórcio.”

De acordo com Arrighi, Lourenço deve fazer declarações retificadoras até o ano dos contratos: “O lançamento do consórcio é obrigatório — ele deve informar, ano a ano, as parcelas pagas durante o período e o somatório delas no campo ‘Situação’ —, ao contrário do seguro, que não necessita ser informado. Mas o mais correto é inserir todas as movimentações, fazendo a retificação em ambos os casos”.

Facilidade O especialista também aconselha que os contribuintes escolham a plataforma de envio em que possuam maior domínio: “Estamos percebendo muitos erros em declarações feitas por meio de smartphones e tablets, porque a digitação é mais complicada que no computador, em especial no caso da inserção de vírgulas e pontos. Mesmo sendo um equívoco pequeno, um dígito separador errado será identificado pelo fisco”.

Além dos frequentes erros de digitação, outro deslize comum é alterar o valor de imóveis: mesmo que tenha ocorrido valorização do mercado e aumento da carga tributária, apenas o valor de compra dos imóveis deve ser declarado – a não ser que tenham sido realizadas benfeitorias, como reformas e ampliações. Nesse caso, todos os gastos com materiais de construção, empreiteiras e mão de obra podem ser adicionados, mas têm que ser comprovados com notas fiscais. Além dos imóveis, é importante guardar os documentos relacionados a outros tipos de bens, como os veículos, que também devem ser declarados.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email