País precisa de um novo sistema tributário

Postado em 01/06/2017 – Fonte: Diário do Comércio – SP – Por: SILVIA PIMENTEL

Especialistas defendem uma reformulação no sistema para eliminar complexidade e a sonegação

Os efeitos da crise econômica sobre os cofres públicos e o caixa das empresas impulsionam um movimento para a reformulação do sistema de pagamentos de impostos brasileiro, apelidado de manicômio e carnaval tributário.

Muito mais do que produzir uma alta carga de impostos, a queixa mais recorrente é o custo indireto decorrente da sua complexidade. O Brasil precisa de um novo sistema tributário. A aprovação de uma ampla reforma, entretanto, depende da redefinição das competências da União, Estados e Municípios.

Essa foi a opinião unânime de empresários, acadêmicos e representantes das administrações tributárias reunidos no seminário internacional “Tributo ao Brasil – A Reforma que Queremos”, da Afresp (Associação dos Agentes Fiscais de Renda do Estado de São Paulo).

Para Hélcio Honda, diretor da Fiesp, o sistema atual é um convite à sonegação de impostos. Falta clareza nas regras, que abrem brechas a várias interpretações e só levam ao aumento do contencioso tributário.

“O custo indireto para cumprir as obrigações acessórias impostas é uma carga invisível que infla o custo do produto”, disse. Apontado como o grande vilão em termos de complexidade, o ICMS também é o carro-chefe das finanças dos Estados, o que dificulta um pouco a discussão de propostas para a sua extinção.

Por esta razão, a discussão da reforma tributária, na sua opinião, deve ser precedida de um novo pacto federativo, em que a partilha de receitas seja mais justa e menos concentrada na União.

CRISE FISCAL DOS ESTADOS

Como representante dos Estados no seminário, o secretário da Fazenda do Estado de Tocantins, Paulo Antenor de Oliveira, também defendeu a ampliação da fatia de recursos destinados aos Estados, que ao longo dos anos passaram a assumir novas obrigações sem a contrapartida de receitas.

Atolados numa crise fiscal sem precedentes, com despesas previdenciárias no valor total de R$ 76 bilhões, os Estados ainda são os mais reticentes na defesa de uma reforma tributária profunda até que haja um reequilíbrio nas contas, daí a necessidade de nova partilha da receita tributária.

Como sugestão ao debate sobre a reforma tributária, Paulo Antenor defendeu a retomada da cobrança de imposto sobre dividendos e até da CPMF. “São poucos os países no mundo que não  taxam os dividendos”, criticou.

O economista e professor da FGV Fernando Rezende também defendeu a reconstrução do sistema tributário, com novos princípios e conceitos, e a discussão em paralelo de uma reforma federativa. “Ninguém mais se beneficia do sistema tributária atual”, afirmou.

Na sua opinião, a reformulação deve contemplar o fim do ICMS, cuja arrecadação está estagnada há mais de 30 anos, sem contar a complexidade atribuída ao tributo.

Para o economista, é preciso discutir novos métodos de arrecadação em um mercado marcado pelo desaparecimento de cadeias produtivas e até de fronteiras. “O fim do ICMS deve ser colocado na agenda dos Estados”, concluiu.

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email