Projeto reduz encargos de salário para gerar empregos e recria a CPMF

Postado em 05/01/2017 – Fonte: DCI – SP – Por: Abnor Gondim

Hauly afirma que sistema atual, criado em 1988, é “canalha, complexo, burocrático e dispendioso”

Proposta que será apresentada em fevereiro na Câmara soa como música aos bolsos dos contribuintes: isenção total para remédios e investimentos e alíquota mínima para alimentos

Brasília – A proposta de reforma tributária a ser apresentada na segunda quinzena de fevereiro na Câmara dos Deputados, pretende criar mais empregos no País com a redução dos encargos de patrões e empregados que pesam sobre a folha de pagamento dos salários.

Em compensação, também propõe a criação de uma nova contribuição sobre movimentação financeira, nos moldes da extinta CPMF, para financiar a Previdência Social, um dos maiores rombos das contas públicas.

Hauly afirma que sistema atual, criado em 1988, é “canalha, complexo, burocrático e dispendioso”
Foto: Divulgação

Para não sofrer resistências no Congresso, o projeto pretende preservar pelos próximos cinco anos, em termos percentuais, as receitas de municípios, estados e União. E traz uma música aos bolsos dos contribuintes: isenção tributária sobre remédios e de investimentos e alíquota mínima para alimentos.

Em linhas gerais, assim está sendo elaborada a proposta pelo relator da comissão especial da reforma tributária na Câmara, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

O projeto vai entrar nas discussões sobre a reforma tributária que o presidente Michel Temer (PMDB) anunciou que vai enviar neste ano ao Congresso. Segundo o relator, a proposta deve coincidir também com os objetivos da proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo no final de 2016.

“A redução da contribuição previdenciária, a meu ver, é fundamental para viabilizar uma melhoria nas condições de emprego”, afirmou ele ao DCI. “Com alíquotas acima de 20% sobre a folha de pagamento para o empregador, mais quase 10% retidos do empregado, não há quem se anime a contratar funcionários. Isso sem falar nos demais encargos trabalhistas.”

De acordo com a proposta de Hauly, a arrecadação da CPMF, ainda sem alíquota definida, seria usada para diminuir na metade as alíquotas pagas ao INSS por patrões (22%) e empregados (11%), que cairiam para 11% e 5,5%.

“Querem que trabalhador rural também contribua para a Previdência. Mas como fazer isso? É melhor transferir esse encargo para o imposto sobre operações financeiras em que todos pagam, compensando isso com a redução das despesas das empresas e dos empregados para facilitar a geração de empregos”, explicou.

Para reduzir a folha de pagamento, é proposta a extinção do Salário-Educação, o que reduz a cobrança sobre folha em 2,5 pontos percentuais, alíquota a ser substituída por uma vinculação em valor equivalente para a educação básica.

Simplificação e isenção

Um dos objetivos da proposta é a simplificação tributária, seguindo o caminho aberto há 20 anos pelo Simples Federal e há dez anos pelo Simples Nacional. O outro é eliminar a guerra fiscal entre os entes federados, em que há disputa na concessão de incentivos fiscais para atrair os empresários.

“A proposta representa simplificação e acaba de vez com a guerra fiscal entre os entes federados, o que foi criado na Constituição de 1988 por um sistema canalha, complexo, burocrático e dispendioso. É o caos”, avaliou.

Por isso, Hauly defende criar três novos tributos: a Contribuição social sobre operações e movimentações financeiras; Imposto sobre Valor Agregado e Imposto Seletivo. E extinguir nove – sete federais (IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação); um estadual – o ICMS; e um municipal – o ISS.

Pela proposta, o Imposto Seletivo incidiria sobre os produtos de energia elétrica, combustíveis, comunicações, cigarros, bebidas, veículos, pneus e autopeças, eletroeletrônicos, eletrodomésticos, saneamento e armas de fogo.

Dessa forma, cerca de 400 mil produtos, entre eles alimentos e remédios, não seriam tributados, isentando 6 milhões de empresas.

Disse ainda que “os investimentos não serão tributados, nem medicamentos. Os alimentos terão alíquota mínima”. Isso resolveria 90% dos problemas do setor agroindustrial brasileiro.

Lucro e fortuna

A oposição tem uma proposta alternativa, que é defendida pelo líder do PT, deputado Afonso Florence (BA). “Queremos tributar o lucro de grandes empresas, criar o imposto sobre grandes fortunas, aumentar o Imposto de Renda dos mais ricos e diminuir a alíquota para a classe média, ou seja, revisar a tabela do IR, e aumentar o Fundo de Participação dos Estados em 1% em 2017 e 1% em 2018”, explicou.

Hauly está negociando com o PT para trocar a taxação sobre fortunas pelo aumento da tributação sobre transferência de propriedade. “Combinamos de fazer um exercício de tributação adicional na transmissão de bens, porque a tributação brasileira sobre propriedade está bem próxima da tributação mundial”, disse. Sobre a taxação dos lucros, o relator avisou: “A tributação brasileira das empresas no Brasil está do tamanho da internacional”.

Abnor Gondim

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email