PT propõe isenção do IR para até R$ 3,6 mil

Postado em 16/05/2016 – Fonte: DCI – SP – Por: Abnor Gondim

Para o diretor Político da Fenacon a ideia de tributar os lucros das empresas não vai passar

Nesta semana, o Partido dos Trabalhadores volta ao parlamento ao lado da oposição, revê projetos e apoia proposta que taxa os lucros das empresas

 

Brasília – Em seu retorno à oposição na Câmara dos Deputados, o PT propõe aumento da isenção do Imposto de Renda (IR) para beneficiar assalariados que ganham até R$ 3.600 e de alíquotas de até 37% para salários acima de R$ 20 mil.

Esses são dois dos principais pontos de projeto de lei que será defendido nesta semana pela bancada do Partido dos Trabalhadores (PT), após 13 anos à frente do governo federal.

Zaratini garante que a proposta é debatida há 6 meses no partido
Foto: Agência Câmara

Em sua reestreia na oposição, onde passou 23 dos seus 36 anos após ser criado em 1980, o PT apresenta proposta mais audaciosa do que a enviada pela presidente Dilma Rousseff ao Congresso no último dia 6 sobre a correção de 5% na tabela de descontos do Imposto de Renda.

Pelo projeto encaminhado, com a mudança na tabela do IR, a isenção sobe de R$ 1.903,98 para R$ 1.999,18. Ou seja, quem ganha por mês até essa quantia não paga o imposto e, a partir desse valor, passa a pagar 7,5%. O limite máximo também sobe, de R$ 4.664,68 para R$ 4.897,92, para os que pagam a maior alíquota, de 27,5%.

Além de uma correção de 5% nas faixas de cobrança e de deduções do imposto, Dilma encaminhou para a Câmara projeto que taxa heranças acima de R$ 5 milhões e doações acima de R$ 1 milhão e tributa os lucros das empresas, o que era isento desde 1996.

Mas o PT desengaveta o projeto que estava paralisado havia seis meses em razão do processo de impeachment que ocorre no Congresso.

Para o deputado Enio Verri (PT-PR), a ideia é tributar mais quem ganha mais e aumentar a isenção dos que ganham menos. “Estamos apresentando uma nova tabela de Imposto de Renda. Nós entendemos que existe um pequeno grupo de pessoas no País que ganha bem e paga muito menos proporcionalmente. Existe uma pequena quantidade de pessoas no País que ganham bem do que quem ganha pouco”, justificou.

Não é só. Um grupo do partido também defende a criação do Imposto sobre Grandes Fortunas, previsto na Constituição, e até hoje nunca regulamentado. “Desde que se iniciou a discussão de ajuste fiscal, nós temos dito que esse ajuste precisa ser sobre aqueles que têm mais”, disse ao DCI o deputado o Carlos Zarattini (PT-SP), um dos vice-líderes da legenda, referindo-se à proposta de aumento de tributos defendido pelo ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

“Nós não concordávamos com a política do Levy, achávamos que ela iria deprimir a economia e deprimiu”, acrescentou Zarattini.

Reação

A reação às propostas do PT promete ser forte também, até porque o novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já declarou ser contrário à proposta menos ousada apresentada por Dilma, especialmente no aumento da tributação de doações e heranças. É o que pensa também o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), um dos maiores especialistas em questão tributária e ex-secretário estadual da Fazenda.

“Qualquer matéria tributária, orçamentária ou de reforma, precisa ser com o novo governo. Esse governo [da presidente Dilma] não tem credibilidade, não tem propostas sequer razoáveis ou sensatas. Não há nada que se aproveite desse governo”, fulminou.

Hauly defende uma discussão tributária nacional sobre o sistema, sobre a tributação da base de consumo, da base de renda, da base de propriedade.

“Tempo o PT teve, 13 anos não são 13 dias”, reclamou o deputado Manoel Júnior (PMDB-PB), um dos vice-líderes da legenda.

Para o diretor Político da Fenacon (entidade das empresas de contabilidade), Valdir Pietrobon, a ideia de tributar os lucros das empresas não vai passar. “A gente já matou propostas nesse mesmo sentido outras vezes”, disse.

Segundo o diretor, em 1995, quando ainda era tributada a distribuição de lucro, as empresas pagavam menos Imposto de Renda. “Aí eles aumentaram o IR das empresas, porque dessa forma elas já pagariam mais”, explicou.

 

AddThis Sharing Buttons

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email