Receita Federal regulamenta Programa de Regularização Tributária

Postado em 03/02/2017 – Fonte: Fenacon – Por: Fenacon

De acordo com o diretor da Fenacon, a Federação vai atuar no Legislativo para apresentar emendas

A Receita Federal regulamentou, nesta quarta-feira (1º), o Programa de Regularização Tributária (PRT), que permite às empresas parcelarem débitos em até 120 vezes. Criado pela Medida Provisória 766/17, o programa abrange dívidas vencidas até 30 de novembro de 2016 de pessoas físicas e jurídicas, inclusive as provenientes de parcelamentos anteriores e em discussão administrativa ou judicial.

Como o Programa foi instituído por meio de medida provisória, mesmo que esteja em vigor a partir desta quarta as medidas passarão pelo Congresso Nacional. De acordo com o diretor Político-Parlamentar da Fenacon, Valdir Pietrobon, a Federação vai atuar no Legislativo para apresentar emendas e incluir a isenção de multas e juros no pagamento.

“O governo está tentando achar um caminho. Só que a medida provisória deveria se estender muito mais. E esperamos que ela se estenda nas discussões da Câmara e do Senado. O que a Fenacon vai fazer é buscar apoio dos parlamentares para que se possa pagar um percentual em cima do faturamento e garantir o desconto de multas e juros. Desta maneira, serão oferecidas condições de o empresário pagar o débito sem paralisar as atividades da empresa”, disse.

O PRT oferece quatro modalidades de adesão. Em uma delas, o devedor poderá pagar pelo menos 20% da dívida à vista, em espécie, e liquidar o restante com créditos de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) ou com outros créditos próprios relativos aos tributos administrados pela Receita Federal.

Outra opção é o pagamento em espécie de, no mínimo, 24% da dívida consolidada em 24 prestações mensais e liquidação do restante com créditos tributários. O saldo remanescente após a amortização com créditos poderá ser parcelado em até 60 prestações adicionais.

A Instrução Normativa RFB nº 1687 pode ser conferida aqui.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email