Saber usar o microcrédito define negócios e destinos

Postado em 21/06/2016 – Fonte: DCI – SP – Por: Liliana Lavoratti

Estar preparado para lidar com o dinheiro pode fazer toda a diferença

Com o microempreendedorismo em alta no Brasil, é inevitável que em um dado momento o negócio precise de um reforço de capital para avançar. Mas esse passo, geralmente decisivo, esbarra na falta de preparo para lidar com o dinheiro emprestado, principalmente dos bancos.

Não foi o que aconteceu com Rosemary Miranda da Silva, 35 anos, e Sandra Margarete Pinheiro, 43 anos, que souberam planejar o empréstimo de microcrédito para alavancar suas atividades informais, ampliar sua renda e melhorar a condição econômica e social de suas famílias.

Rosemary passou por várias etapas até pegar um financiamento individual de R$ 17 mil no Santander para dobrar de 5 mil para 10 mil unidades mês a produção do “Atelier de Bolos, Doces e Salgados” que fundou há dez anos em uma das ruas mais movimentadas de Paraisópolis – a segunda maior favela da capital paulista, encravada ao lado do Morumbi, um dos bairros mais nobres da cidade de São Paulo.

“Primeiro, passei por um empréstimo coletivo, de R$ 8 mil, para quatro mulheres, com aval solidário. Com o dinheiro, comprei mesas, cadeiras, balcões para a loja. A experiência me deu segurança para assumir sozinha uma dívida de maior valor”, conta Rosemary. Apontando para a agência do Santander, localizado em frente ao atelier, ela prevê para o próximo ano novas melhorias no negócio, com a fabricação de chocolates. Para isso, fará a “ousadia de tirar mais R$ 30 mil no banco”, como ela mesma diz. “Agora não preciso mais dizer não para encomendas de última hora”, salienta a empreendedora, que emprega duas pessoas e prefere manter os quatro filhos estudando e trabalhando longe de seu ganha pão. “Misturar as coisas não dá certo. E faz parte do meu sonho ver meus filhos na universidade.”

Outro orgulho de Rosemary é ter vendido um bolo de milho para Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil, quando o executivo visitou a favela.

Cinco em uma

Com Sandra Margarete Pinheiro não foi diferente. “Já tenho dez anos de microcrédito”, ressalta. De um quiosque em Paraisópolis, ela passou para duas lojas na favela e está abrindo a terceira no Maranhão em sociedade com uma irmã. A “Sandra Lingerie” é uma espécie de cinco em uma, pois comercializa moda fitness, praia, lingerie, artigos de sex shop e beleza – neste último, uma das três filhas que trabalham com Sandra é consultora da Mary Kay.

“Para chegar até aqui, foram vários financiamentos. O primeiro, de R$ 1,8 mil, multipliquei com a compra de produtos. Depois os valores foram crescendo. Sempre usei o dinheiro no negócio: para ampliar a oferta de mercadorias, manter o estoque sempre com novidades”, explica.

Para levar adiante o projeto da quarta loja, está pegando R$ 30 mil no Santander.

Um dos ingredientes da receita de sucesso de Sandra – que paga R$ 2,3 mil de aluguel em seu principal ponto de venda de 45 metros quadrados, em Paraisópolis – é o fato de continuar sacoleira até agora. “Sei que tenho crédito no banco, mas é preciso pagar em dia para continuar usufruindo disso e realizar a próxima etapa do meu projeto: ter uma loja em um shopping center que deve ser aberto aqui em breve”, planeja.

Essas operações são sustentáveis economicamente porque os negócios financiados são sustentáveis, avalia o superintendente de microcrédito do Santander, Jeronimo Rafael Ramos. Segundo ele, dentre os fatores que fazem 95% dos tomadores de microcrédito pagarem em dia as parcelas estão as ações de educação financeira no modelo de atuação do banco para evitar o endividamento excessivo, o levantamento socioeconômico feito pelos agentes de crédito nos locais dos negócios, de palestras e orientação permanentes sobre questões básicas de administração, além de ajuda para formalização, quando o financiado solicitar. “Para continuar investimento neste programa de alto impacto social, há 15 anos passamos a ver o microcrédito como um negócio com sustentabilidade econômica”, enfatiza o superintendente do Santander. De 2001 para cá, a instituição financeira liberou R$ 3,3 bilhões para cerca de 350 mil empreendedores, “ou em torno de 1,4 milhão de beneficiados”.

 

 

AddThis Sharing Buttons

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email