Postado em 15/05/2018 – Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO/Diário do Comércio

77% dos empreendedores que faturam até R$ 81 mil por ano nunca fizeram um curso ou treinamento

Um levantamento inédito do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que o microempreendedor individual (MEI) ainda que carece de planejamento financeiro.

Presente na realidade econômica brasileira desde 2009, o Microempreendedor Individual prefere registrar os custos da empresa em papel, ainda vende fiado, mas também começa a aceitar cartão como forma de pagamento. O comportamento de gestão financeira do MEI foi alvo de pesquisa inédita realizada pelo Sebrae. O levantamento mostrou que 77% dos empreendedores autônomos, que faturam até R$ 81 mil por ano, nunca fizeram um curso ou treinamento em finanças. A amostragem revelou que, no momento atual, mais de 50% dos pequenos empresários estão satisfeitos com o resultado financeiro de seus negócios.

Os números apresentados pela pesquisa, que ouviu mil pessoas entre os dias 14 e 26 de abril, revelam que o caderno ainda é o meio preferido dos MEI para registrar seus gastos. Eles somam 50% do total, enquanto 21% já passaram para a era do computador. Este percentual é mais acentuado entre os jovens de até 24 anos, que aderiram mais facilmente aos meios digitais. Além disso, vender fiado ainda é realidade para quatro em cada 10 microempreendedores individuais. Para 44% deles, o cartão é aceito como forma de pagamento.

O controle das finanças passa pela gestão empresarial do MEI. De acordo com a pesquisa, 66% dos entrevistados conseguem manter os pagamentos de todos os custos da empresa em dia, enquanto que 34% enfrentam dificuldades em acertar as contas. Mesmo assim, 60% dos empreendedores entrevistados guardam diariamente comprovante de seus gastos. Outros 48% não fazem previsão de gastos e 39% não registram todas as receitas para fazer o controle das entradas de dinheiro, enquanto 34% não costuma acompanhar o saldo de caixa ou o faz no máximo uma vez mensalmente.

O MEI costuma pesquisar na hora de comprar. A cada 10 empreendedores, oito fazem cotação de preços. Além disso, 70% costumam pedir descontos na hora de comprar algum produto ou contratar serviços. Além disso, apesar das novas formas de pagamento, 91% dos empresários aceitam dinheiro vivo em suas transações, enquanto que 44% usam os cartões de débito e crédito e 40% utilizam depósitos bancários e só 29% recebem cheques.

“Se o empreendedor brasileiro é um herói, o MEI é o herói solitário. Mesmo sem o preparo adequado, se esforça para quitar as contas, pagar fornecedores e ainda consegue equilibrar o comando da empresa, o cuidado com o cliente e fechar o mês com resultados favoráveis ao negócio”, analisa o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. “Por isso o Refis é tão fundamental para ajudar esses empresários a quitarem dívidas com a União. Por isso o Sebrae valoriza tanto a orientação financeira”, conclui.

Entre os dias 14 e 20 de maio, o Sebrae participa da 5ª Semana Nacional de Educação Financeira. Neste período, serão promovidas atividades e capacitações em todo o país. O foco das ações é a promoção da educação financeira para empresários de micro e pequenos negócios, em especial para o Microempreendedor Individual. Para mais informações sobre a programação, visite o site do evento.

FORMALIZAÇÃO

A pesquisa do Sebrae também verificou a percepção dos empreendedores como MEI. Para 67% dos empresários, trabalhar como MEI ajudou a enfrentar a crise financeira e 82% afirmam que se tornar MEI melhorou a vida. Nove em cada dez concordam que a criação da figura jurídica foi uma boa política governamental.

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email