Exigência de afastamento de Machado da Transpetro serve de exemplo positivo

Para executivo, condição imposta é única maneira de deixar ‘trabalho dos auditores correr à vontade’

POR CHICO OTAVIO

RIO — Ao exigir o afastamento de Sergio Machado da presidência da Transpetro como condição para auditar o balanço da Petrobras, a PriceWaterhouseCoopers contribuiu para o avanço da democracia no Brasil. A avaliação é do auditor Francisco Eduardo Ribeiro, diretor do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado do Rio. Para ele, a imposição à estatal estimula outras auditorias a fazer o mesmo, servindo de exemplo de independência.

Essa exigência, explica Antônio Ranha, vice-presidente de Controle Interno do Conselho Regional de Contabilidade, é a única maneira de deixar “o trabalho dos auditores correr à vontade”. Os responsáveis pela análise do balanço, segundo ele, não podem ter qualquer restrição de acesso a documentos e instalações da Transpetro. A presença de Machado na empresa, neste caso, poderia colocar o trabalho em risco.

— A pressão do honorário é forte. O cliente das auditorias, geralmente, quer um resultado bonito, mas nem sempre isso é possível — concorda Francisco Ribeiro.

As denúncias de corrupção reveladas por Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da estatal, devem levar a Price a aprofundar os testes nas contas da Petrobras, um trabalho que pode durar de dois a três meses, na avaliação de Antônio Ranha. Ele estima que a auditoria comece com um levantamento de tudo o que está acontecendo no momento, para compará-lo à situação anterior. Ele não descarta a intenção da Price de ter acesso ao conteúdo da delação premiada.

Outra preocupação, destacou Francisco Ribeiro, é com a responsabilidade civil dos auditores. Ele disse que, no mercado, existe um trauma provocado pelo escândalo da Enron Corporation, companhia de energia americana que quebrou, em dezembro de 2001, com uma dívida de US$ 13 bilhões e arrastou consigo a Arthur Andersen, que fazia a sua auditoria.

Na época, as investigações revelaram que a Enron havia manipulado seus balanços financeiros com a ajuda de empresas e bancos.

— Existe uma expectativa grande com relação a esse trabalho da Price. Portanto, ela se cercou de todos os cuidados. Deve solicitar complementos, fazer exames que normalmente não faz. O trabalho será frio e independente — diz Ribeiro.

O Globo

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email